.
HOME ÍNDICE
br
en
fr
es
sk
www.conhecimento-espiritual.net.br
LINKS CONTATO
Add Bookmark
RSS



















ARTIGOS: CONHECIMENTO 

Bom e ruim


Bom e ruim

O bom e o ruim são termos relacionados ao denominado “nível horizontal” da vida, que é a conseqüência da nossa atual situação de vida. O indivíduo avalia subjetivamente como bom ou ruim. Em contrapartida, há necessidade de distinguir as palavras “bondade” e “maldade”. Estas servem para descrever a direção espiritual do homem – “o vertical” em sua vida. Se você imagina o ser humano como um ponto através do qual o horizontal expressa a vida terrena e o vertical a vida espiritual, você formará uma cruz. A cruz é um símbolo da Verdade; o nível de sua vida (horizontal) será proporcional a sua qualidade espiritual (vertical). Assim se você realmente quer mudar sua vida e suas circunstâncias externas, mude a si mesmo.

As pessoas observam o mundo ao redor delas principalmente de um modo subjetivo, porque elas normalmente somente vêem em relação a si mesmas. “Isso é o que eu quero, mas não que isso seja bom e isso seja ruim...” – conforme lhes convém ou não. Na realidade, as coisas não são boas ou ruins. Nós somente as fazemos parecerem dessa forma. Nós designamos a chuva uma coisa boa quando ela molha nosso jardim e uma coisa ruim quando nós queremos estar ao ar livre; um fogo na lareira é designado uma coisa boa em uma noite fria, mas o calor do verão é considerado uma coisa ruim.

Opostos como “bom” e “ruim” de alguma forma pertencem um ao outro, como os dois lados da mesma moeda. Uma vez você vê isso de um lado e depois do outro; ainda que você nunca veja ambos os lados ao mesmo tempo. Vendo os dois opostos e conectá-los espiritualmente é algo que somente uma pessoa plenamente consciente pode fazer – um indivíduo que experimentou ambos os opostos conheceu-os e aprendeu a amá-los, ou mais claramente, os aceitou sem lamentar-se. Nós aprendemos que algo é bom somente em comparação com o seu oposto ruim. Sem contraste nada poderia existir. Afinal, como você saberia o que é bonito se você não soubesse o que é feio? Como você perceberia o que é felicidade se você não soubesse como é a sensação de estar infeliz? Mas quando você parar de julgar as coisas ao seu redor em termos de se você gosta delas ou não, sua visão subjetiva muda para a objetiva e você vê as coisas como elas são. Então você realmente entenderá a vida e você poderá vivê-la completamente.

O que é uma coisa boa para uma pessoa pode ser ruim para a outra. Você pode dividir o pão com uma faca, mas você também pode matar com uma faca. “Divisão do pão” de uma família pobre (tomar do pouco que eles têm), de qualquer modo, não é bom; matar, por exemplo, um porco, pode ser bom para seu dono; mas seria ruim no caso do porco ter alguma doença. O bom pode se transformar facilmente em ruim e o ruim em bom, e o que uma vez era conveniente pode ser agora um fardo.

A maioria das coisas, segundo às quais as pessoas se guiam, muda apenas sua situação no sentido horizontal e são irrelevantes para a qualidade de vida – como uma marca particular (de carro, cerveja, roupas), onde ir fazer compras... Em contraste com isto há os opostos que se encontram na linha vertical e, escolhendo entre eles, realmente mudamos nossas vidas. Por exemplo: orgulho – humildade; ganância – generosidade; luxúria – castidade; inveja – desapego; gula – moderação; raiva – tolerância; preguiça – vigor.

Baseado em nossas escolhas, nós tendemos para a direção do bom ou do ruim. No caminho do bom, as coisas boas podem nos ajudar, bem como as ruins. Quando, por exemplo, alguém em casa nos acorda pela manhã e nos dirigimos para fora da cama, nós vemos isto como uma coisa ruim se nós não dormimos o suficiente. Porém, quando nós aprendermos a não ficarmos bravos com eles (o que não é fácil se for uma situação repetida), nós ficamos tolerantes. Se nós aprendermos a acordar pela manhã e não por volta da hora do almoço (uma coisa que nós perceberemos inicialmente como ruim e desagradável), nós superaremos nossa própria preguiça e ganharemos tempo que anteriormente nós perdíamos dormindo. Todo passo na linha vertical nos muda e assim nossas vidas serão diferentes. Por exemplo, graças ao fato de sair mais cedo da cama nós podemos ter muitas experiências durante o dia e depois, à noite, nós não precisaremos sentar em algum lugar como em um barzinho e “bater papo”. Pássaros cantam graciosamente pela manhã e o clima é normalmente mais agradável antes do meio-dia; pelo contrário, álcool e cigarros “satisfazem” melhor à noite que durante o dia. Nós apenas temos que andar para cima na vertical e o caminho fica cada vez mais fácil; porque quando nós vamos ao longo dela, também mudamos nossa vida completamente. Afinal, é um reflexo do nosso estado interior. Quando nós somos tolerantes, outras pessoas são tolerantes em relação a nós. Quando nós não somos preguiçosos para fazer alguma coisa para os outros, outras pessoas vêm e nos ajudam também, se nós precisarmos disto. Se nós formos generosos, outros nos darão o que precisamos, neste momento nós seremos muito gratos. Portanto, nós lhe desejamos muita força e paciência no caminho pela linha vertical da sua cruz pessoal.


Facebook
Twitter
LinkedIn
MySpace


Acima Índice Home
desde 1/1/2007 3816506 visitantes