.
HOME ÍNDICE
br
en
fr
es
sk
www.conhecimento-espiritual.net.br
LINKS CONTATO
Add Bookmark
RSS



















CONHECIMENTO: CONTOS 

Um novo alimento espiritual


Um novo alimento espiritual

Quando o caos começou a reinar sobre a Terra e os alimentos da humanidade não produziam força e revigoramento suficientes, o Filho da Luz desceu para trazer à humanidade um novo alimento.

Ele se aproximou primeiro daqueles que habitualmente serviam a refeição para as pessoas. Quando ele olhou para as suas bacias, ele descobriu que o mingau estava estragado e mofado. Então, ele ofereceu-lhes o seu próprio alimento.

Os doadores de mingau experimentaram seu novo alimento. Mas assim que eles prepararam, eles imediatamente afastaram os pratos com desdém e disseram: “O gosto do seu mingau não é reconhecível para nós – temos o nosso próprio mingau. Desde sempre tem sido bom para os nossos pais e avós, é bom para nós também.”

Assim, o Filho da Luz teve que olhar para as pessoas que ainda não se acostumaram ao gosto do mingau velho. Ele encontrou-os entre os pescadores e pessoas simples. Eles imediatamente pegaram um sopro do poder do novo mingau e começaram a comê-lo com colheres cheias; incrivelmente felizes, eles o ofereceram às outras pessoas ao redor.

A notícia sobre o novo mingau propagou-se amplamente; e mesmo depois que o Filho da Luz, que levou para as pessoas o amor do Altíssimo, tinha ido embora, mais e mais pessoas perguntavam dele.

No entanto, como a doação de alimentos gratuita não duraria para sempre, os doadores de mingau colocaram novamente as mãos sobre as refeições. Como o tempo passou, doadores de mingau sujaram os dois lados da bacia, às vezes até mesmo algo de seus dedos caía no mingau! E como se isso não fosse o suficiente, as pessoas, com as mãos sujas, queriam atuar como doadores de mingau.

Logo, quando o mingau continuava a perder a sua pureza, seu poder e alegria, a consistência continuou a desaparecer também. Quanto mais fraco o poder do mingau ficava, mais elogios recebia dos doadores de mingau.

Depois de algum tempo, quando gerações inteiras de doadores de mingau tinham alterado seus pratos, o mingau cheirava a mofo e putrefação novamente. Doadores de mingau ficaram com medo que eles pudessem perder sua posição importante, e como resultado disto começaram a prometer que todos os que sacrificassem o seu apetite e olfato, certamente obteriam o direito perpétuo de possuir o mingau.

Deste modo, uma multidão de pessoas apreciava o conteúdo do mingau e até hoje não toleram que digam qualquer coisa ruim sobre isso – eles têm o nariz, mas eles não sentem o cheiro; eles comem o mingau, mas não sentem o sabor dele.

Embora sempre tenha existido algumas pessoas suspeitas, as quais parecem não achar o mingau tão delicado – e eles simplesmente não gostam dele –, de qualquer modo, a multidão de pessoas olha sempre de outra forma – eles mantêm a mesma lógica ao verem a nova comida, entregue novamente pelo Altíssimo em Seu infinito amor. O novo pão da vida foi rejeitado da mesma forma como ele tinha sido repudiado há muito tempo, não apenas pelos doadores de mingau, mas também por aqueles que estavam muito acostumados à comida velha e trocaram a eternidade pela promessa do direito eterno pelo mingau. Contudo, todos aqueles que estão buscando e que são incansáveis em sua busca, encontrarão esse alimento espiritual da vida.


Facebook
Twitter
LinkedIn
MySpace


Acima Índice Home
desde 1/1/2007 3438972 visitantes